Crítica: Vida (Life, 2017)

Crítica: Vida (Life, 2017)

Vida entra na cota anual de filmes que se passam no espaço. Tal nicho tem sido bem representada nos últimos anos…. Com maior ou menor brilhantismo, Interestelar, Gravidade, Perdido em Marte e A Chegada, mesmo bem diferentes entre si, têm méritos de proporcionar uma experiência válida na telona. O lançamento desta semana entra neste heterogêneo rol apresentando um sci-fi/suspense.

O curioso aqui é que o longa se presta menos a pensamentos reflexivos e muito mais a uma ação. E exatamente por se assumir como um thriller e ter consciência do que quer fazer é que Vida se dá tão bem. Apesar de algumas metáforas poderem ser apreendidas e a toda uma construção ao redor do significado do título, a obra passa longe de ser hermética. Há inclusive uma parcela de alívios cômicos que se encaixam na história sem tirar o foco.

A trama, portanto, é muito simples: um grupo de 6 astronautas descobre uma potencial existência de Vida em Marte. O organismo recolhido é apenas uma célula microscópica simples – o que é um grande avanço. Tal descoberta causa uma comoção na Terra, a ponto da singela criatura ganhar um nomezinho: Calvin. Inclusive acaba gerando uma afeição quase que paternal pela nova e desconhecida forma de vida. Mas nem tudo são flores, caso contrário não teríamos filme…. “a curiosidade supera o medo”, frase que um dos tripulantes diz em relação a Calvin, acaba se voltando contra os 6 destemidos astronautas. O anseio natural de explorar a complexidade contida em algo tão mínimo tem um resultado trágico: após um crescimento rápido, Calvin se torna voraz em busca de sobrevivência, mas para isso trava uma intensa luta contra os habitantes originais.

Aí é que está a magia da coisa: o “vilão” de Vida está seguindo instintos naturais – vemos, assim, mais justificativa do que em parte considerável dos antagonistas de filmes de herói. E, novamente trazendo uma frase do próprio filme, “a existência de vida exige destruição”. Tal pensamento nos faz refletir sobre a nossa própria existência – questões como pegada ecológica podem ser discutidas a partir daí… Vida também é um prato cheio para biólogos trabalharem os temas em sala de aula com os alunos (seja para falar de evolução, seja para apontar possíveis derrapadas).

Na parte técnica alguns elementos se sobressaem. O visual da nave ajuda muito na construção do clima. A claustrofobia se faz presente em labirínticos corredores. O design de produção é esbelto, sem grandes arroubos e passando uma sensação moderna sem soar falso. Em momento algum o CGI quer gritar mais do que o cerne da história. Veja em uma sala que o som seja bom, pois tal quesito é bem importante. Vários efeitos sonoros integram a narrativa, também de forma limpa.

Em consonância com o título, Vida, toda a evolução é bem orgânica. A transformação do problema, no começo restrito a uma sala e depois tomando proporções gigantes, faz com que a gente sinta o senso de urgência também crescer. Algumas soluções tendem para o conveniente, o que atrapalha um pouco a potência. O que de fato incomoda são alguns diálogos expositivos e explicativos tornando a coisa um tanto didática. Ainda assim, pequenas pinceladas que podem ser relevadas.

Muitas referências são percebidas ao longo dos precisos 100 minutos de projeção. Star Wars ( “tenho um bom pressentimento sobre isso” foi coincidência? ), Alien em alguns enquadramentos e Gravidade no sufocamento e em um outro detalhe que não posso revelar aqui. A própria estrutura serial, um pouco repetitiva, também lembra uma quantidade considerável de outros filmes, como por exemplo o recente Kong.

O elenco é recheado e diverso, tendo atores de várias etnias. Ryan Reynolds,  Jake Gyllenhaal, Hiroyuki Sanada, Rebecca Ferguson, Ariyon Bakare e Olga Dihovichnaya compõem a trupe que enfrenta o novo amigo. Apesar de alguns momentos dramáticos (vide o “boa noite” ou então os sufocamentos), as atuações vão pouco além de funcionais. Há carisma e conseguimos nos importar com o destino deles, isso – dentro dessa proposta é o que mais importa.

O final pode soar previsível para alguns, mas mesmo antecipando o que acontece, é possível ser impactado. Há uma certa coragem nele – e em outros momentos do filme. A mistura de pipoca com sci fi foi próspera e tem potencial para agradar uma gama diversa de público. E até agora, se consagra como melhor filme do mês.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Conversador

    QUATRO estrelas? Verei!

    • Lucas Albuquerque

      Na realidade 4,5. Melhor filme do mês até agora. Depois conta pra gente o que achou.

  • Yves Lacoste

    Infelizmente “Vida” foi totalmente ofuscado por “Alien Convenant”. Acho que poderia ter tido um bom retorno nas bilheterias se o filme de Ridley Scott não tivesse existido nesse 1º semestre do ano!!!!!!!

    • Daniel Lemos Cury

      Perfeito, Yves. É bem possível que, de alguma forma, o filme tenha perdido esse impacto. Mas pelo menos chegou antes nos cinemas. Se tivesse estreado depois, seria ainda pior…

    • Lucas Albuquerque

      De fato houve esse problema na agenda, mas o Vida é bem melhor. Contudo, não sei alguém deixou de ir em um dos filmes por conta do outro….

    • Oliver Silvano Sil

      Quer saber!gostei mais do filme “life”,do que o Alien Convenant,eu o achei muito cansativo e tedioso!

  • INice Aion Siel

    Final ruim, a criatura chega na terra e a tripulação toda morre. sem mais, aos que vão me xingar por dar spoiler, só estou fazendo um favor a quem não gosta de finais pessimistas pra não perder tempo com esse filme bjo na bunda

    • Lucas Albuquerque

      Na sessão de comentários nós liberamos spoiler, então sem problema. Mas é sempre bom deixar um aviso antes para não estragar a experiência. Você não gostou, outros podem querer assistir e podem até gostar.

    • Jesse James Matos Soares

      E quem disse que o final é pessimista? É a ascenção de uma nova espécie dominante, talvez até melhor que a nossa. Talvez nela não tenha nenhum escroto que conta o final dos filmes. Ainda bem que só leio critica depois de ver o filme.

      • Lucas Albuquerque

        Jesse, nas nossas críticas não colocamos spoiler, então pode ler tranquilamente. A sessão de comentários (de todos os sites em geral) normalmente é liberado para estimular a discussão, mas é sempre bom a pessoa avisar antes 🙂
        E sobre o otimismo/pessimismo é uma ótima visão a tua… tanto que não podemos considerar o bicho como o vilão do filme, ele estava só tentando sobreviver….

        • Marcus Vinnas

          Quem garante que era só sobrevivência?

    • Marcus Vinnas

      A maioria, menos os chefões de Hollywood, gosta de um final corajoso e inusual. Todo mundo comenta e e exalta os finais de The Mist e Planeta dos Macacos. Chega de finais água com açúcar.

  • Oliver Silvano Sil

    Acabei de assistir o filme,E como amante de filmes de Ficção cientifica,estou decepcionado com o final.

    • Lucas Albuquerque

      O que exatamente te decepcionou?

      • Oliver Silvano Sil

        A decepção esta no desvio das capsulas de salvamento,Eu faria um final diferente!Enviaria a mulher á terra e,o cara para o vago espacial.Já que o “Calvin”,entra em hibernação quando esta se oxigênio,O cara da capsula daria um jeito de fazer isto acontecer e,com o pouco de oxigênio que lhe restasse ele encontraria uma estação espacial.Ai daria continuação em uma segunda parte do filme.

        • Thiago Petherson

          Meio surreal esse seu final. Mas, em se tratando de filmes de ficção, tudo fica meio que surreal. Poderemos até ter uma continuação, e com os dois vivos. Essa situação que você citou poderia acontecer com a mulher no espaço, e o filme continuaria na Terra. Só acho que o clima claustrofóbico e totalmente de ficção, não aconteceria no caso do filme se passar na Terra. Perderíamos a essência.

          • Oliver Silvano Sil

            Então,justamente isto que você falou é um tanto surreal.Mas,seria tipo um resgate que poderia acontecer no espaço mesmo!Sei que esta parada de resgate e meio clichê.porém,teria um final compreensivo.

        • Reinaldo José Nunes

          Mas a ideia do final é sair do óbvio, e especular o improvável: depois de todos os eforços para salvar o planeta, eles não conseguem salvar. O final deixa isso bem claro. Uma continuação seria desnecessária e sem fundamento. Já sabemos o que vai acontecer: Calvin aumenta de tamanho exponencialmente, na Terra, teria “poder” ilimitado e poderia trazer toda a vida à extinção.

          • Oliver Silvano Sil

            Entendo!Que os diretores fizeram algo diferente.Mas,O filme é muito bom,para não ter uma continuação,para mim,ele superou o Alien covernant.

          • Reinaldo José Nunes

            Bom, ainda não assisti o Alien, então não sei confirmar (ou negar) heuaeha

            Pensando bem, filme dois talvez pudesse ser bacana (algo como Guerra dos Mundos? heauehahe)

          • Oliver Silvano Sil

            O filme guerras dos Mundos 1 e 2 são clássicos no gênero ficção cientifica.Porem,o filme interestelar e Lucy,sempre serão os meus preferidos,

          • Reinaldo José Nunes

            O dois nao assisti
            Interestellar ♥

  • wellingto carvalho

    Galera acho que o que vou falar não é spoiler, pois é a ultima palavra que aparece de pois de todo credito.Aparece a seguinte palavra ” Be moved” “Ser movido”. algum sabe oque significa? Na maioria das vezes fico para ver o que pode ter depois dos créditos e sabemos que em varias vezes tem alguma coisa.

    • Thiago Petherson

      Também gostaria de saber.

  • Rhafael Cainã Santos

    EU SÓ QUERO SABER COMO É QUE ELE ENTROU NO TRAJE DO BIÓLOGO!!! mano, o bixo tava no encanamento em um segundo e no outro, ele já tava no traje do negão?! que bixiga foi aquilo????

    • Vdd viu. Cheguei a pensar que ele teria desenvolvido outro no corpo do cara mas, não! Era o mesmo?!

  • Kurosaki Vaizard

    A terra é plana e esse filme é só mais uma mentira de hollywood pra enganar os gados burrinhos que acreditam em fakes da nasa

  • souza89

    Acho que o maior problema é a evolução do Alien e sua inteligencia, de resto é um filme padrão… Sabe o filme Sunshine: Alerta solar, então, substituía o vilão por essa praga ai, e temos praticamente a mesma coisa, tanto em questão de câmera e cenário e até a equipe é parecida kkkkkkkkk.

    Faltou um pouco mais de Terror, correria e quem sabe um design do alien, e a falta de investimento em uma locação para fazer a parte de marte e eles mesmo irem lá e recolher as amostras, a solução ficou bem tosca, eles ficarem em uma estação esperando uma capsula, empobreceu muito.

  • Juarez Emanuel

    assisti agora e gostei do filme só achei estranho esse final se não tiver uma continuação que provavelmente deve ter fico meio zoado