Crítica: Ghost in the Shell – O Fantasma do Futuro

Crítica: Ghost in the Shell – O Fantasma do Futuro

Ficha técnica:

Direção: Mamoru Oshii

Roteiro: Kazunori Itô. Baseado na obra de Masamune Shirow

Nacionalidade e lançamento: Japão, 18 de novembro de 1995

Sinopse:

No caótico ano de 2029, o Esquadrão Shell, liderado pela Major Motoko, é encarrego de resolver crimes praticados por hackers. Um deles, o Mestre das Marionetes, gera uma onda de violência, utilizando memórias falsas, ao mesmo tempo em que ativa uma série de questões existenciais em Motoko.
O futuro:

Com o lançamento do filme “A Vigilante do Amanhã: Ghost in the Shell”, vamos relembrar um pouco o prestigiado anime japonês “Ghost in the Shell”, que no Brasil teve o infeliz título “O Fantasma do Futuro”. Trata-se do primeiro de alguns longas e séries lançados até o momento, adaptados do mangá escrito por Shirow Masamune. É de longe um dos melhores trabalhos cinematográficos sobre a cibernética e sua complexidade, transitando em uma atmosfera de anseios e existencialismos entre humanos e máquinas, e também humanos-máquinas, explorando elementos como a mente, a alma, a liberdade e a limitação.

A major Motoko, em sua luta incessante para capturar o Mestre das Marionetes, se deixa levar pela dúvida ao começar a questionar elementos até então pouco explorados por uma agente, como a “alma”, sentimentos e sensações humanas. É como se ela começasse a entender que a vida tem algo mais a oferecer fora de seu ‘mundo’. Com o corpo repleto de aparelhos implantados (o que faz dela uma ciborgue), Motoko se vê mergulhando em pensamentos sobre a realidade. Não a realidade criada pelos engenheiros do poder que a mantém e a controlam de certo modo, mas a realidade que não está contida em sua mente, ou seja, as memórias falsas incutidas em seu ser já não passam de registros sem importância. O que ela deseja agora é transpor a barreira da verdade que há lá fora. E o Mestre das Marionetes parece ter essas respostas, por mais que este, para Motoko, não passe de um criminoso que precisa ser detido o mais rápido possível.

Claro que “Ghost in the Shell” não é apenas uma história sobre humanos-máquinas em crises existenciais, mas é também sobre uma grande caçada a um perigoso e extremamente inteligente criminoso que, aos poucos, ficamos sabendo ter saído de dentro do próprio Ministério das Relações, órgão ligado ao Esquadrão. No fundo, o criminoso é uma poderosa consciência artificial que, para alcançar seus objetivos, se utiliza das mentes de pessoas que tiveram suas memórias apagadas. Estas pessoas imaginam ter vivido situações que na verdade não passaram de memórias implantadas por um ser que as manipulam.

Trabalhando ao lado de Motoko, o incansável Batou é o reforço físico do grupo, aquele que ajuda a livrar seus colegas dos apuros. Mas, além disso, Batou também serve (para o espectador) como um elo que liga às respostas, fornecendo informações que nos ajudam a entender o que está ocorrendo aqui e ali.

O roteiro é excepcional, explorando de forma criativa uma narrativa que por vezes parece uma junção de um filme noir com uma ficção científica. Não é um roteiro esquemático, mas uma elaboração de várias ideias fantásticas e embaralhadas, cabendo ao público destrinchar todo aquele universo repleto de ambivalência e subjetividade. A grande virada da história se dá justamente em um momento ambíguo, quando um suposto acidente envolvendo uma mulher, revela um misterioso segredo que ocasionará o maior conflito da obra.


Assim como os filmes “A.I – Inteligência Artificial” (2001) e “Ex_Machina: Instinto Artificial” (2015), “Ghost in the Shell” explora os limites da realidade da era cibernética e a barreira que separa homens e máquinas, destacando anseios e dúvidas de seres em busca de respostas. Nada parece suprir seus desejos e emoções, nada parece confortá-los. Seus personagens agem por meio de uma consciência conflitante.
O anime dirigido por Mamoru Oshii influenciou o excelente “Matrix” (1999). Realmente há significativas semelhanças entre “Ghost in the Shell” e a obra das irmãs Wachowski. Repare no uso de caracteres enigmáticos nos laboratórios, nos lapsos de espaço/tempo, e em como em ambos, os personagens precisam fazer escolhas que mudarão suas vidas. No caso do anime, as mudanças em alguns momentos se dão involuntariamente.
Com um visual fantástico (que parece inspirado no filme “Blade Runner), vemos ali um mundo repleto de luzes, cabos, máquinas futurísticas, hologramas, camuflagens, armas poderosas e personagens emblemáticos. Um formidável design de produção, tudo lembrando uma grande arte conceitual.

“Ghost in the Shell” não fica atrás de outras obras-primas da animação japonesa do gênero ficção científica, como “Akira” (1988), “Metrópolis” (2001) e “Paprika” (2006). A ótima continuação “Ghost in the Shell – Innocence” (2004), mantém o mesmo nível de qualidade, conseguindo ser ainda mais complexo que o primeiro.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • Daniel Lemos Cury

    Taí um exemplo de filme que não subestima o espectador. Fica até difícil de entender tudo o que está se passando e encontrar respostas para tudo, mas o arco da protagonista é mto interessante, e acredito que nem tudo seja importante de saber responder, porque a questão mais importante são os pensamentos existenciais da Motoko… e uma conversa muito interessante com o já clássico Blade Runner (que tbm volta pras telonas esse ano).