Podcast Cinem(ação) #213: La La Land

Podcast Cinem(ação) #213: La La Land

Filme favorito a vários Oscars deste ano, La La Land chegou ao Podcast Cinem(ação) recheado de polêmica!

Hora de começar a falar de filmes, e já que é pra chegar chegando, vamos chegar com La La Land – Cantando Estações, o filme que já se tornou o queridinho do público, e que vem papando prêmios por onde passa. Tem tudo para ganhar o Oscar… mas aguarde! Aqui no Cinem(ação) nós ainda vamos falar de muitos outros filmes da corrida mais esperada do cinema mundial. MAS ESPERE! Se você acha que esse podcast vai mostrar um monte de gente babando pelo filme que tanta gente amou, VOCÊ NÃO SABE O QUE TE ESPERA!

Desta vez, Rafael Arinelli e Daniel Cury conversam com Bryan Ruffo, do canal Bryan e Nat, para conversar sobre o lado bom e o lado ruim de La La Land. Afinal, por que tanta gente amou o filme? E que críticas podemos fazer a ele? Como são mostrados os personagens, quais são suas motivações e como ocorrem as viradas no roteiro? Tudo isso e muito mais é discutido neste podcast! Ouça, abra seu coração e entenda a importância de discutir um filme sob diversos aspectos!

Download | iTunes | Feed

> 07m28: Repercussão

> 15m58: Pauta Principal

> 1h32m23: Plano Detalhe

> 1h41m28: Encerramento & Erros de Gravação

Plano Detalhe:

Links do Podcast Cinem(ação):

Críticas, elogios, sugestões para contato@cinemacao.com ou no facebook.com/cinemacao ou ainda pelo twitter.com/cinemacao

Este Podcast foi editado por: !SSOaí Design Estratégico

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

  • E esse Bryan Ruffo, hein?! Vou te contar… O cara é crítico demais, leva as coisas muito a sério, em tudo quer pôr racionalidade, buscando sentido, nexo… Tragam ele mais vezes pro programa! Virei fã. 🙂

  • Daniel Lemos Cury

    Hahahahaha. Muito bom!

  • Nidia Lysney

    Eu louca para sair o podcast sobre o filme porque amei demais, chorei, sorri, achei o final maravilhoso, amei o ‘curta’ dentro do filme que mostrou o que poderia ter sido e quando saiu o podcast tive a impressão de que quase fui chamada de tola e sem profundidade por ter amado La La Land. Vou ouvir novamente o podcast sobre Um Corpo Que Cai para fazer as pazes com vocês, rsrs, brincadeira, entendo os argumentos de quem não gostou, tanto que ouvi o ‘Detonando La La Land’ de vocês até o final, não tive essa paciência com outro podcast.

    Pensando no filme depois, até aumentei minha nota, comecei com 4, fui para 4,5, depois 4,7 e atualmente está 4,8. Pela galera que tem nas redes sociais e algumas coisas que ouvi, concordo com o que disseram em um outro podcast, parece que nos EUA é um crime falar mal de La La Land, mas no Brasil é o contrário, é um crime falar bem. Estou louca para assistir novamente, só não assisti por conta da minha maratona do Oscar.

    Como diria Mia: “Um brinde aos sonhadores, tolos como possam parecer”

  • Silvana Oliveira E Silva

    Vcs provaram mais uma vez a coerência que se propõe neste podcast.
    La La Land é um filme tecnicamente excelente. Mas o roteiro é boring boring boring. Meu namorado sobreviveu 10 min. Eu fui além, mas me dispersei. E vejam que sou fã de musicais, defensora do gênero.
    Como foi falado, mais do técnica, um bom filme tem que contar uma boa história.
    E o finalzinho com o curta colado ali foi um lance interessante. É legal, mas não merece tantas indicações, pra meu gosto.

  • Rafael Arinelli

    Que legal que você gostou @silvanaoliveiraesilva:disqus ! Nosso intuito é sempre trazer várias visões de um filme, para desconstruí-lo mesmo. Acho que é um dever de quem pensa cinema, tentar pensar o filme por várias vertentes né? Continue nos acompanhando! Adoramos seu comentário!

  • Rafael Arinelli

    @nidialysney:disqus ! Não fique brava conosco!!! Nossa ideia é trazer essa visão positiva e negativa do filme, isso ajuda a pensar no filme como um todo, né? Vamos ler seu comentário no Podcast #214! E dai te respondemos de forma mais completa ta? Muito obrigado pelo comentário! Adoramos!

  • Lucas Albuquerque

    O Bryan quis problematizar tudo… se La La Land fosse uma história real protagonizada por dois negros acho que ele o consideraria o melhor filme da história…

  • Daniel Lemos Cury

    foi o q eu argumentei em certo momento: desde que sejam feitos filmes realistas, o escapismo pode ser bem vindo. mas eu achei legal fazer um podcast q foge do “baba ovo”…

  • sdoreymenano (Sofia)

    Olá pessoal,

    Parabéns por mais um ótimo podcast!!

    Eu também saí do cinema amando o filme (amo musicais).

    Mas depois, pensando a respeito do filme e já sem o efeito do “impacto imediato” do filme, comecei a pensar que La La Land é um bom filme, porém, não é digno de tantos prêmios.

    Concordo com o Bryan, daqui a um tempo a gente não vai lembrar deste filme como lembramos de vários outros filmes.

    Ficou faltando a gente saber como o Sebastian conseguiu abrir o bar e como a Mia ficou famosa, quando casou (aliás, o marido é aquele “namorado” que ela deixou a ver navios no meio do jantar no restaurante no começo do filme?).

  • Daniel Lemos Cury

    então, @sdoreymenano:disqus , acho que o fim até tem sua razão de existir! Mas é claro que existem problemas de roteiro… o que não me impede de querer ver de novo e sair cantando todas as músicas! rsrsrs
    Obrigado por comentar!

  • Mateus Gonçalves

    Gente, me recomendaram esse podcast só porque eu estou fazendo merchan adoidado sobre o melhor filme do ano. Gostei vou acompanhar todos os podcasts agora.
    Agora tem pontos que eu discordo bastante. O cinema não precisa ser necessariamente político, é excelente quando ele faz isso, mas nem todos os filmes bons precisam seguir essa regra. Algumas vezes, a única pretensão de uma produção é encantar, e isso La La Land faz com maestria.
    Acho o filme lindo visualmente, tecnicamente muito bem feito.
    Diferente do Bryan, minha nota só aumenta para La La Land. Percepção é percepção, né? Titanic, para mim, é absurdamente superestimado. Enfim…

  • Fala galera do cinemação otimo cast!

    Antes de tudo, devo admitir que eu não sou fã de filmes de musicais devido sua extensão, normalmente os filmes desse genero se prologam mais do que o necessário para incluir as diversas musicas de sua trilha sonora, mas com La La Land – Cantando Estações esse medo e preconceito são esquecidos nos primeiros 10 minutos.

    O filme é sobre o amor crescendo entre uma aspirante a atriz e um músico de jazz, a sequencia inicial é um impressionante plano-sequencia bem trabalhado para não dizer genial, um filme que logo nos primeiros minutos se prova uma aposta certeira e entretenimento garantido.

    HomeGeralMusical
    La La Land – Cantando Estações – Comentários

    Acompanhando os filmes de maior repercussão nas premiações de 2017, vamos falar do filme La La Land – Cantando Estações!

    O filme La La Land – Cantando Estações (La La Land) lançado no final do ano de 2016 nos EUA e só chega em janeiro no Brasil.

    Dirigido por Damien Chazelle, mesmo diretor de Whiplash – Em Busca da Perfeição.

    Com roteiro de também escrito por Damien Chazelle.

    Ao chegar em Los Angeles o pianista de jazz Sebastian (Ryan Gosling) conhece a atriz iniciante Mia (Emma Stone) e os dois se apaixonam perdidamente. Em busca de oportunidades para suas carreiras na competitiva cidade, os jovens tentam fazer o relacionamento amoroso dar certo enquanto perseguem fama e sucesso.

    O filme conta com Ryan Gosling, Emma Stone, John Legend, J.K. Simmons, Rosemarie DeWitt, Finn Wittrock, Callie Hernandez, Jessica Rothe, Tom Everett Scott e Josh Pence, em seu elenco.

    Antes de tudo, devo admitir que eu não sou fã de filmes de musicais devido sua extensão, normalmente os filmes desse genero se prologam mais do que o necessário para incluir as diversas musicas de sua trilha sonora, mas com La La Land – Cantando Estações esse medo e preconceito são esquecidos nos primeiros 10 minutos.

    O filme é sobre o amor crescendo entre uma aspirante a atriz e um músico de jazz, a sequencia inicial é um impressionante plano-sequencia bem trabalhado para não dizer genial, um filme que logo nos primeiros minutos se prova uma aposta certeira e entretenimento garantido.

    Ambientação perfeita, a fotografia reflete muito a época em que a história é ambientada, toda a trilha sonora é bem orquestrada e as sequencias musicais se desenvolvem tão bem durante o filme que apesar de ter 126 minutos de duração, o filme passa rápido e com certeza o expectador sair com um sorriso no rosto.

    Um filme leve com roteiro bem pensado e boas coreografias, durante todo o desenvolvimento do filme é possível perceber um toque de nostalgia, um toque de cinema da “velha guarda”.

    Esse sentimento para mim foi tão forte que o filme poderia muito bem ser preto e branco que ainda seria um grande filme nos dias atuais.

    Quanto as indicações ao Oscar realmente existia esse ano filmes que mereciam mais vencer é por isso que apesar de toda a confusão fez sentido o que aconteceu no premio de melhor filme

  • Fala galera do cinemação otimo cast!

    Antes de tudo, devo admitir que eu não sou fã de filmes de musicais devido sua extensão, normalmente os filmes desse genero se prologam mais do que o necessário para incluir as diversas musicas de sua trilha sonora, mas com La La Land – Cantando Estações esse medo e preconceito são esquecidos nos primeiros 10 minutos.

    O filme é sobre o amor crescendo entre uma aspirante a atriz e um músico de jazz, a sequencia inicial é um impressionante plano-sequencia bem trabalhado para não dizer genial, um filme que logo nos primeiros minutos se prova uma aposta certeira e entretenimento garantido.

    Ambientação perfeita, a fotografia reflete muito a época em que a história é ambientada, toda a trilha sonora é bem orquestrada e as sequencias musicais se desenvolvem tão bem durante o filme que apesar de ter 126 minutos de duração, o filme passa rápido e com certeza o expectador sair com um sorriso no rosto.

    Um filme leve com roteiro bem pensado e boas coreografias, durante todo o desenvolvimento do filme é possível perceber um toque de nostalgia, um toque de cinema da “velha guarda”.

    Esse sentimento para mim foi tão forte que o filme poderia muito bem ser preto e branco que ainda seria um grande filme nos dias atuais.

    Quanto as indicações ao Oscar realmente existia esse ano filmes que mereciam mais vencer é por isso que apesar de toda a confusão fez sentido o que aconteceu no premio de melhor filme

  • Alex DAvila

    adorei a visão do Bryan não conhecia ele… ele tem algum podcast tb? gostei mto dos comentários dele mto mesmo! lembrando que tb adoro os comentários dos outros integrantes tb… alias adoro podcast cinemação!

  • Alex DAvila

    kkk gostei mto dele tb… show de bola!

  • Daniel Lemos Cury

    Mateus, percepção é percepção, e o importante é debater e retrabalhar a leitura do filme conforme o que ouvimos! Valeu pelo comentário!

  • Daniel Lemos Cury

    Falou tudo! ^^

  • Daniel Lemos Cury

    Alex, o Bryan tem um canal no Youtube: https://www.youtube.com/user/canalfilmedahora
    E que bom que vc curtiu! A gente fica muito feliz com comentários assim. Valeu!