Crítica: KidPoker (2015)
KidPoker

Crítica: KidPoker (2015)

KidPoker é uma ótima opção para quem curte documentários biográficos e, de quebra, quer treinar o inglês.

 

Ficha técnica:
Direção e roteiro:  Gary Davis e Francine Watson
Elenco: Daniel Negreanu, Mike Negreanu e Oren Farkash
Produção: PokerStars Original Films
País e Lançamento: Reino Unido, 2015

Sinopse: Lançado em alguns países pelo Netflix, em junho de 2015, KidPoker tem como figura central o jogador da PokerStars Daniel Negreanu, o maior astro do poker mundial da atualidade. “Essa história mostra claramente a determinação e a intenção que tive quando tudo estava contra mim, sobretudo nos primeiros anos. Quis que este filme fosse inspirador para que as pessoas que o assistam saibam que também podem perseguir os seus sonhos”, declarou o jogador canadense em entrevista sobre o documentário.

KidPoker

O curta KidPoker (2015) repete o estilo consagrado de O Jogador – A História de Stu Ungar (2003), mostrando a glória dos maiores campeões do feltro. Apesar da brilhante carreira dos dois nas mesas do esporte, a história pessoal de Stu Ungar e Daniel Negreanu seguiu para rumos completamente diferentes. Certamente que o momento é outro e cada um tem características diferentes de personalidade.

Em 90 minutos, KidPoker mostra detalhes da vida e da carreira de Daniel Negreanu, desde a época em que seus pais imigraram da Romênia para o Canadá, passando pelo seu nascimento e infância, até chegar ao Hall da Fama, com sua brilhante carreira no poker.

Filho de romenos, Negreanu vive sua infância em Toronto, e já na adolescência passa a ganhar dinheiro como jogador de snooker. E é através desse jogo que conhece o poker. Com muita determinação ele persegue seu sonho de se tornar um grande profissional desse esporte da mente, mesmo indo contra a opinião de muitas pessoas do seu convívio. Nos primeiros anos de carreira isso foi um dos obstáculos que enfrentou, mas a determinação de Negreanu mostrou que tudo pode ser superado.

A história conta a chegada dos seus pais ao Canadá, com pouquíssimo dinheiro, e como conseguiram se adaptar à nova cultura e construir uma vida na América do Norte. Seu irmão Mike é um dos personagens do curta, e, no seu depoimento contou como ajudou Daniel a superar diversos problemas no início da carreira, inclusive financeiros, e como é forte a ligação do astro com a família.

 

Negreanu menciona no documentário as dificuldades do início da sua carreira, quando precisava viajar de Toronto para Las Vegas para participar dos torneios de poker e, muitas vezes, voltava sem dinheiro. Nesses momentos quem o ajudava era seu irmão Mike.

O documentário destaca o primeiro bracelete do World Series of Poker conquistado em 1998, aos 23 anos, dando início a uma coleção de vitórias que o tornaria um dos maiores jogadores de poker de todos os tempos. Ressalta também suas mais importantes conquistas mundiais.

Detentor de seis braceletes da World Series of Poker e dois do World Poker Tour, o jogador brilhou no poker online no ano de 2016, com uma conquista brilhante no WCOOP. O atleta do feltro acumula prêmios e títulos nos torneios e campeonatos que participa. Como se não bastasse, além do poker, Negreanu é comentarista de TV em torneios importantes e autor de vários livros voltados a esse esporte.

 

Resumo:

KidPoker está disponível nos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Irlanda, Nova Zelândia e Austrália, pela Netflix, porém ainda não há previsão de exibição no Brasil. Além de uma boa oportunidade para os fãs de documentários biográficos treinarem o inglês, KidPoker é interessante para conhecer uma outra perspectiva da carreira de um profissional de poker dos dias atuais.

Gostou? Dê um like e passe adiante!

Leia também:

Apoie o Cinem(ação): contribua com a cultura cinematografica!

  • Críticas cinematográficas
  • Mais de 6 horas de conteúdo inédito por semana
  • Podcasts semanais
  • Grupo no Facebook exclusivo para apoiadores
  • Acompanhamento das nossas conquistas com seu apoio

Abra a porta do armário! Deixe seu comentário:

Os comentários estão fechados.