Home Críticas 2 Claquetes Crítica: Os Mestres do Universo

Em 1987 foi lançado o filme Mestres do Universo, a primeira versão live action deste herói criado pela fabricante de brinquedos Matel que originou um dos desenhos mais saudosos de todos os tempos, assim como a própria linha de brinquedos que hoje são considerados artigos de luxo para os colecionadores do mundo todo. O personagem aliás teve várias origens, no início era apenas um bárbaro e não o príncipe Adam que conhecemos. Em cada uma das versões os personagens tinham suas origens contadas, sendo a primeira que se originou em mini-gibis que vinham junto com os bonequinhos, ou figuras de ação como são conhecidos hoje.

Mas vamos falar sobre o filme, dirigido por Gary Goddard. O filme tem início com o vilão Esqueleto (Frank Langella) invadindo o castelo de Grayskull e tomando a Feiticeira (Christina Picles) como sua prisioneira, a intença de Esqueleto é drenar os poderes da Feiticeira para poder dominar todo o universo. Enquanto isso He-man (Dolph Lundgren, mas o papel também foi oferecido a Silvester Stallone), o homem mais poderoso do universo e seus amigos, Duncan/Mentor (Jon Cypher), Teela (Chelsea Field) e Gwildor (Billi Barty) são transportados para a nossa realidade graças a uma invenção do próprio Gwildor, a chave cósmico. Esse item pode transportar qualquer um para qualquer lugar do universo e por isso torna-se o próximo alvo das ambições malignas de Esqueleto. Porém a chave cai nas mãos de dois terráqueos, Julie Winston (Courtney Cox) e Kevin (Robert Duncan McNell). Uma eminente invasão de Esqueleto à Terra é questão de tempo e só He-man poderá detê-lo.

O filme tem uma temática infantil, mas com boas cenas de batalha bem ao estilo anos 80, com batalhas de espada e feitiçaria ao melhor estilo Conan. O filme inicialmente se passaria em Eternia, porém situar o filme na Terra foi uma jogada para reduzir os custos, por usarem menos cenários e menos figurinos e efeitos para os seres alienígenas.

O ator Dolph Lundgren está em sua melhor forma física, quanto a interpretação esta não existe e nem precisa, um fato interessante é que o ator não fez uso de dubles nas cenas de ação. O personagem Gwildor foi criado para substituir o fiel Gorpo. O diretor se baseou nos personagens conhecidos como Novos Deuses da editora DC Comics, para criar as artes conceituais do filme. Um filme B para todas as idades, com uma visão diferente de um personagem que está beirando o esquecimento, isso se não acontecer um projeto de novo filme. Eu voltarei diz o Esqueleto ao final dos créditos, estamos esperando até hoje…

Nota: 2 Claquetes

 

Comments

comments

CIN(ESTREIA)

0 504

Quem acha que após o período de férias de verão (no hemisfério norte) termina junto com as boas estreias, está muito enganado! Confira os...
Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers: