Home Críticas Crítica: A Rede Social

Mark é aluno de Harvard e um dos gênios que estudam por lá. Com uma mente quase autista, ele cria um site em que compara o nível de beleza das alunas da universidade, conseguindo 22 mil acessos em duas horas e fazendo a rede da universidade cair.

A partir daí, ele e seu amigo Eduardo Saverin criam um site no qual as pessoas trocam fotos, informações e mostram o status de relacionamento, com a seguinte premissa: NUNCA cair, devido à quantidade de servidores. Surge assim o famoso Facebook.

A narrativa não é linear: alterna-se entre a história da criação do site e os depoimentos de Mark Zuckerberg durante os dois processos que sofreu na justiça: dos gêmeos Winklevoss, remadores e ricos estudantes que “tiveram a primeira ideia”, e do próprio Saverin, que o processou após problemas na empresa.

Dizem que o Mark do filme não é bem o Mark da vida real, e o mesmo deve se aplicar aos demais personagens, todos inspirados nas pessoas reais. O que importa, aqui, é a excelente caracterização (e atuação) de todos, até mesmo de Justin Timberlake, que vive um Sean Parker (criador do Napster) enérgico.

Aliás, energia é o que A Rede Social tem de sobra. Diálogos rápidos e inteligentes, cortes e planos que fluem naturalmente e se intercalam: afinal, o filme retrata uma geração totalmente diferente, que vive em meio a computadores e tem a mente adaptada para diversos assuntos, conversas e uma rapidez no fluxo de informação nunca antes vista nas pessoas. O primeiro diálogo do filme, entre o protagonista e sua namorada, mostra em alguns minutos como funciona a mente de Zuckerberg: ele é rápido e não consegue manter apenas uma linha de raciocínio, e sim ter duas conversas ao mesmo tempo: até parece que ele está em vários sites, mudando de janela a todo o tempo.

O garoto nerd que tinha poucos amigos na faculdade foi o grande responsável pelo site que mais une as pessoas no mundo: atualmente, são mais de meio bilhão de pessoas com um perfil no Facebook. Mas isso não aconteceu só por ele. Não fosse a ajuda de seu amigo brasileiro “Wardo” e ideias vindas de outras pessoas, ele não teria conseguido. Além de Mark e Eduardo, o filme vem com bons antagonistas, cheios de características verossímeis: são os irmãos gêmeos vividos por Armie Hammer, que em nenhum momento parecem ser vividos pelo mesmo ator.

David Fincher é genial em sua direção: além de manter a narrativa de uma forma ágil como forma de retratar a geração de Zuckerberg, o diretor consegue retratar as motivações do protagonista sem avançar muito em sua mente, respeitando a distância que Mark sempre mostrou ter em relação às pessoas: nas festas, ele sempre estava afastado, e nunca gostou de dar abraços.

Outro grande destaque de A Rede Social vai à música, merecedoramente vencedora do Oscar, que mantém a expectativa e representa os jovens que se identificam com os personagens. Se a edição excelente faz Fincher voltar ao nível de edição que conseguiu em Clube da Luta, desta vez ela é menos crua e mais fluida.

Mesmo com todos esses pontos positivos, A Rede Social ainda parece um filme que vai crescer com o tempo. Sinto que, se assistirmos ao filme daqui a dez anos, teremos surpresas e ainda muita afinidade com a história – assim como a rede social mais famosa do mundo, que deverá continuar valendo os muitos bilhões de dólares.

Comments

comments

CIN(ESTREIA)

0 136

Quem acha que após o período de férias de verão (no hemisfério norte) termina junto com as boas estreias, está muito enganado! Confira os...
Follow

Get every new post delivered to your Inbox

Join other followers: